O emocional das crianças merece atenção especial, principalmente com o impacto da pandemia em suas rotinas e relações interpessoais.

Felizmente, hoje fala-se muito sobre o bem-estar emocional de jovens, adultos e idosos. No entanto, esse é um tema que deve receber atenção durante toda a vida, principalmente na infância.

A pandemia do novo coronavírus é um ponto importante a ser considerado na saúde mental dos pequenos, pois as regras de distanciamento social e o fechamento das escolas transformaram muito o dia a dia das crianças e sua convivência social.

Sintomas como irritabilidade, mudanças de humor, insônia, dificuldade de concentração podem ser fáceis de se identificar em adultos, mas apresentam diversas nuances quando se trata de crianças e adolescentes.

Crianças que apresentam dificuldade para dormir, relatos de preocupação, alterações de comportamento, desobediência excessiva, que voltam a urinar na cama e até mesmo que têm queixas de dor física merecem atenção especial.

Os pais devem ficar atentos a qualquer um desses sinais e buscar a ajuda de um profissional especializado, como psicólogo ou psiquiatra, se for preciso. Afinal, a saúde mental infantil é importante para toda a vida da pessoa.

Os primeiros anos funcionam como uma base para todas as aquisições que o cérebro fará nos anos seguintes. É também nesse período que surgem os primeiros sintomas de transtornos que podem se agravar na vida adulta.

Para ajudar crianças a gerenciar experiências ou sentimentos ruins, transformando-os em autoconhecimento e maturidade, separamos 5 dicas simples que os pais podem seguir no dia a dia. Confira-as abaixo!

Não esconda o que está acontecendo

Pode ser muito difícil explicar para os pequenos a pandemia que não tem fim. Apesar disso, é importante conversar sobre a situação e deixar claro que isso não está acontecendo apenas com a criança, mas que é uma questão de saúde do mundo inteiro.

Ressalte que as medidas estão sendo tomadas para combater esse problema e dê a confiança de que tudo vai. Os pais devem explicar que as dificuldades são passageiras e que soluções virão, lembrando que os cientistas estão pesquisando vacinas e remédios capazes de derrotar o vírus.

Acompanhe a vida escolar do seu filho

As aulas online, a ausência física do professor e dos colegas de classe são fatores que podem gerar insegurança ou desânimo nas crianças. Portanto, não deixe de acompanhá-las nas aulas remotas e conferir como anda o seu desempenho escolar.

É indicado que os pais respeitem o tempo da criança em cada etapa do processo de aprendizado. Sente com o seu filho e tenha paciência de produzir uma atividade do começo ao fim, de entender o tempo dele para pintar, cortar ou fazer uma colagem, por exemplo.

Aqui você confere mais dicas de como os pais podem ajudar os filhos no ensino à distância!

Permita que seu filho fale

Em tempos de pandemia, as crianças estão muito mais evolvidas com as tecnologias. Elas podem até conversar muito nos chats da internet, mas será que conseguem se comunicar na vida real com os pais, demonstrando seus reais sentimentos e emoções?

Pergunte ao seu filho como ele se sente, incentive que ele fale o que pensa em seu íntimo. Ao falar sobre emoções com as crianças, os adultos precisam estimular que elas coloquem para fora o que estão sentindo. Há momentos para chorar, gargalhar, comemorar e se sentir frustrado. Permita que seu filho revele os seus sentimentos à medida que eles surjam!

Evite a sobrecarga mental

Se para os adultos já é difícil processar tantas informações, atividades e obrigações diárias, para os pequenos é ainda mais desafiador. Uma criança que tem o dia repleto de atividades — por mais que sejam educativas ou culturais – acaba tendo muitas obrigações.

Pensando na saúde mental do seu filho, permita que ele tenha momentos de descanso. É importante que sempre haja um tempo livre no dia da criança, quando ela pode se dedicar às atividades que quiser, brincar ou dormir um pouco mais.

Estimule o contato social por meio das tecnologias

Por mais que os pequenos tenham em casa pessoas que amam, eles certamente sentem falta dos avós, primos, amigos da escola, do futebol ou do ballet. As crianças estão acostumadas a viver em um ambiente social e o isolamento repentino pode ocasionar estresse ou outros comprometimentos psicológicos.

Para amenizar a sensação de solidão e saudade, estimule o seu filho a se comunicar com as pessoas ausentes da sua atual rotina por meio do telefone ou chamadas de vídeo. As redes sociais são um excelente recurso para tal, desde que devidamente monitorado pelos adultos. Além disso, o tempo dispendido no mundo virtual não pode ser excessivo e não deve comprometer as outras atividade do dia.

O EuSaúde possui uma equipe de psicólogos e psiquiatras pronta para ajudar a cuidar da saúde mental do seu filho. Conheça nossos serviços!