Você provavelmente já ouviu falar sobre tireoide, mas ficou na dúvida a respeito de onde ela fica no corpo humano e qual a sua verdadeira função. Por vezes, pode até ter ficado surpreso ao saber que alguns problemas de saúde estão associados ao desequilíbrio da tireoide.

Apesar de ser pequena, ela é responsável por produzir e regular a secreção de hormônios importantes, e qualquer disfunção na tireoide causa sintomas desagradáveis que comprometem a qualidade de vida. Quando ela não funciona de maneira correta, pode liberar hormônios em quantidade insuficiente, causando o hipotireoidismo, ou em excesso, ocasionando o hipertireoidismo.

Mas, afinal, o que é tireoide?

A tireoide ou tiroide é uma glândula em forma de borboleta (com dois lobos), que fica localizada na parte anterior pescoço, logo abaixo da região conhecida como Pomo de Adão (ou popularmente, gogó). É uma das maiores glândulas do corpo humano e tem um peso aproximado de 15 a 25 gramas (no adulto).

Qual a função da tireoide no corpo?

A tireoide age na função de órgãos importantes como o coração, cérebro, fígado e rins. Ela faz isso a partir da produção de dois hormônios: T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). Responsáveis por regular o gasto energético e a temperatura corporal, esses hormônios atuam nas funções do fígado, rins, coração e cérebro, interferindo diretamente no crescimento e desenvolvimento de crianças, peso, humor, memória, ciclo menstrual, fertilidade, concentração e no controle emocional.

Diferenças entre hipertireoidismo e hipotireoidismo

Como já mencionado anteriormente, o equilíbrio e bom funcionamento da tireoide é fundamental para a saúde do organismo. A anormal atividade dessa glândula pode levar ao aumento (hipertireoidismo) ou à redução (hipotireoidismo) da produção hormonal.

  • Hipertireoidismo: caracteriza-se pela hiperatividade da tireoide. Esse desequilíbrio eleva a concentração dos hormônios e aumenta a velocidade do metabolismo orgânico.
  • Hipotireoidismo: a glândula tem sua atividade reduzida, provocando uma produção hormonal insuficiente. A consequência é a redução de velocidade do metabolismo.

Hipertireoidismo

O hipertireoidismo é uma condição na qual a glândula  tireoide é hiperativa e produz excesso de hormônios tireoidianos. Se não tratado, o hipertireoidismo pode levar a outros problemas de saúde. Alguns dos mais graves envolvem o coração (batimentos cardíacos acelerados e irregulares, insuficiência cardíaca congestiva) e os ossos (osteoporose).

A doença de Graves é a causa mais comum de hipertireoidismo. Ela ocorre quando o sistema imunológico ataca a glândula tireoide, provocando seu aumento estimulando-a produzir excesso de hormônios. É uma doença crônica e normalmente ocorre em famílias com história de doenças da tireoide. Algumas pessoas com a doença de Graves também desenvolvem inchaço atrás dos olhos, o que provoca protrusão dos para fora do globo ocular.

Outras fatores, menos comuns, também podem causar hipertireoidismo. São eles:

  • Nódulos tireoidianos: tumores na glândula  tireoide, que podem secretar excesso de hormônio tireoidiano.
  • Tireoidite subaguda: uma inflamação dolorosa da  tireoide tipicamente causada por vírus.
  • Tiroidite linfocítica: uma inflamação não-dolorosa causada pela infiltração de linfócitos (um tipo de célula branca do sistema imune) na tireoide.
  • Tireoidite pós-parto: tireoidite que se desenvolve logo após o término da gravidez

Para o tratamento do hipertireoidismo, após diagnóstico médico, é preciso levar em consideração as causas do distúrbio, a idade e o estado geral de saúde do paciente para prescrever medicamentos.

O especialista pode recomendar remédios de uso oral que bloqueiam a liberação exagerada de hormônios pela tireoide. Dependendo do estágio do hipertireoidismo, também é possível recorrer à cirurgia para retirar a tireoide ou realizar uma terapia com iodo radioativo, que destrói parte da glândula.

Hipotireoidismo

Assim como o hipertireoidismo, o hipotireoidismo também causa um aumento de volume da tireoide. Contudo, esse aumento não é acompanhado de mais produção dos hormônios tireoidianos, mas sim pela queda na produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina).

Na maioria das vezes, o hipotireoidismo é causado por uma inflamação denominada Tireoidite de Hashimoto, uma disfunção autoimune. O hipotireoidismo também afeta recém-nascidos. Nesses casos, o problema é diagnosticado pelo conhecido “Teste do Pezinho” e o tratamento deve ser iniciado imediatamente.

Se o hipotireoidismo não for corretamente tratado, pode acarretar redução da performance física e mental do adulto, além de elevar os níveis de colesterol, que aumentam as chances de problemas cardíacos. O tratamento do hipotireoidismo é feito com o uso diário de Levotiroxina, na dose prescrita pelo médico. 

Sintomas que indicam problemas na tireoide

O hipertireoidismo, em sua forma mais suave, não apresenta sintomas facilmente diagnosticáveis ou apresenta apenas distúrbios como fraqueza ou sensação de desconforto. Entretanto, em seu aspecto mais grave, a doença pode até matar.

Os sintomas do hipertireoidismo, independentemente da causa, refletem a aceleração das funções orgânicas, que geram:

  • Aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial
  • Palpitações devido a ritmos cardíacos anormais (arritmias)
  • Sudorese excessiva e sensação de calor
  • Tremores nas mãos (tremor)
  • Nervosismo e ansiedade
  • Dificuldade para dormir (insônia)
  • Perda de peso, apesar do aumento do apetite
  • Aumento do nível de atividade apesar da fadiga e fraqueza
  • Evacuações frequentes, ocasionalmente com diarreia
  • Alterações na menstruação

No hipotireoidismo, a insuficiência de hormônios tireoidianos provoca a desaceleração das funções do corpo. Os sintomas são sutis e progridem gradualmente. Eles podem ser confundidos com depressão, sobretudo em idosos. Outros sintomas também associados são:

  • Desaceleração dos batimentos cardíacos
  • Intestino preso
  • Menstruação irregular
  • Diminuição da memória
  • Cansaço excessivo
  • Dores musculares
  • Sonolência excessiva
  • Pele seca
  • Queda de cabelo
  • Ganho de peso
  • Aumento do colesterol no sangue

Buscando ajuda médica

A boa notícia é que ambos os distúrbios, hipotireoidismo ou hipertireoidismo, têm tratamento adequado com medicamentos, o que reverte, na maioria dos casos, os sintomas desagradáveis citados anteriormente.

Apesar disso, é importante reforçar que apenas um sintoma não confirma alteração de tireoide. Geralmente, são vários sinais ao mesmo tempo. Sendo assim, ao perceber diversos sinais ocorrendo simultaneamente, o paciente deve buscar ajuda médica.

Para identificar alterações na tireoide o médico pedirá exames de TSH e o T4 livre – ambos exames de sangue que medem a quantidade de hormônios na corrente sanguínea. A ultrassonografia da tireoide também pode ser solicitada para avaliação da presença de nódulos na região.

No EuSaúde, o paciente é acompanhado e cuidado por um equipe voltada para a atenção primária. Isso significa que o médico de família será responsável por orientar o paciente em toda sua trajetória – desde o primeiro contato, até a solicitação dos exames, passando também pelo diagnóstico, tratamento e monitoramento da doença.

Caso o médico de família considere necessária a avaliação de um especialista, como o endocrinologista, ele irá direcionar o paciente.

No EuSaúde, o cuidado vai além da abordagem de doenças, e as pessoas continuam sendo acompanhadas para evitar doenças futuras e manter a qualidade de vida.

Acha que está com problemas na tireoide? Conte conosco para resolver essa situação e cuidar da sua saúde. Conheça nossos serviços e tenha acompanhamento médico agora mesmo!