Está curiosa sobre as diferentes fases do parto? Então esse texto é para você!

São, principalmente, quatro períodos que distinguem as fases do parto normal: a dilatação, a expulsão, a dequitação e a revisão. Vamos descrever para você cada uma delas e explicar como o corpo se comporta em cada fase. 

Leia também: Parto normal ou cesariana?

O trabalho de parto começa quando as contrações uterinas aparecem em intervalos de dez minutos, com duração superior a 20 segundos, o que pode ser percebido pela dor e endurecimento da barriga. Geralmente, neste momento, há a saída do tampão mucoso pela vagina (uma secreção espessa branco-avermelhada).

Quer tirar dúvidas com profissionais de saúde a qualquer momento? Clique aqui e conheça o EuSaúde!

Dilatação:

A dilatação é verificada quando o médico ou o enfermeiro fazem o exame de toque vaginal e percebem abertura do orifício do colo do útero. Para o bebê nascer, ele deve descer e encaixar a cabeça na pelve materna. Esse processo pressiona o colo do útero, que fica cada vez mais fino e dilatado. Se a bolsa não tiver estourado até esse momento, o médico deverá rompê-la para facilitar o processo.

As contrações aumentam em intensidade e diminui o intervalo entre elas, até que o feto esteja pronto para ser expulso do útero. Essa fase pode durar várias horas. Nas mães de primeira viagem, costuma demorar mais do que nas que já tiveram partos normais anteriores.

Durante a fase de dilatação, as dores podem ser aliviadas com anestesia, exercícios respiratórios, técnicas de relaxamento e a presença de alguém da sua confiança.

Quando a gestação se aproxima do fim (40 semanas) e a mãe ainda não entrou em trabalho de parto, o médico pode optar por induzir o processo com medicamentos, de maneira que as contrações comecem e inicie-se a dilatação do colo do útero. Essa opção é sempre feita em ambiente hospitalar e com cuidadosa monitoração do bebê e da parturiente. 

Expulsão:

Neste período, as contrações têm frequência a cada minuto e duração de 60 ou mais segundos. A mulher pode sentir vontade súbita de evacuar ou fazer força para expulsar o bebê; são os chamados “puxos”, ou seja, há contração dos músculos abdominais e aumento da pressão dentro da barriga, com o objetivo de empurrar o bebê pelo canal de parto. A anestesia pode tirar a sensação do puxo, por isso é muito importante que uma equipe de saúde possa acompanhar e orientar a mulher durante o trabalho de parto. Geralmente, esta fase é mais rápida e, em cerca de 30 minutos, espera-se que a cabeça do bebê comece a sair pela vagina. No entanto, em algumas situações a expulsão pode durar mais tempo (até duas horas).

Dequitação ou segundamento 

Após a saída do bebê e o corte do cordão umbilical, é hora de expulsar a placenta de dentro do útero, que continua com algumas contrações. As contrações  são bem menos intensas podendo ser imperceptíveis ou sentidas como cólicas. A placenta descola-se da parede interna desse 

Revisão:

Depois da saída da placenta, o médico ou enfermeiro deverão verificar o canal de parto para verificar a presença de lacerações, faz a sutura da laceração ou episiotomia, se houver, e observa a estabilidade clínica da mulher. Durante esse estágio, mãe e bebê podem ficar juntos e se “curtirem”.

Ainda tem dúvidas sobre este assunto? Clique aqui e tenha acesso a uma equipe de saúde de onde você estiver e quando você precisar.